“Vidas Secas”: Companhia Ítalo-Brasileira apresenta espetáculo com máscaras e bonecos na Caixa Cultural (RJ).

Por Cristiano Ayres.

O espetáculo “Vidas Secas”, livremente adaptado do clássico de Graciliano Ramos, ganhou os palcos no teatro da Caixa Cultural dia 2 e encerra sua temporada domingo, dia 19 de novembro. A direção é de Georgia Goldoni e Leonardo Garcia Gonçalves, que também atuam no espetáculo. A cenografia minimalista é de Gianni Goldoni, os figurinos de Adelfa Bergonzini e a iluminação precisa de Daiane Baumgartner.

FOTO: Tamyris Zago.

FOTO: Tamyris Zago.

A montagem ficou a cargo da companhia ítalo-brasileira Caravan Maschera, que é composta por Giorgia Goldoni e Leonardo Garcia Gonçalves. A dupla criou oito bonecos com inspiração em pinturas de Candido Portinari e fotografias de Sebastião Salgado, que narram a saga de uma família de sertanejos que, forçados pela aridez do ambiente rural, partem rumo a regiões menos castigadas pela seca.

Em 2010, Giorgia Goldoni e Leonardo Garcia Gonçalves foram selecionados para participar do projeto europeu MarksOnStage que, no decorrer de dois anos, possibilitou aos artistas participantes residir em cinco países: Alemanha, Itália, República Tcheca, Espanha e França. Um fato curioso se deu em recentes apresentações na França, Eslovênia, Suíça e Itália, em que foi possível uma correlação dos espectadores com os refugiados da Síria.

“Aquela família de retirantes ainda não é, infelizmente, uma imagem anacrônica. Sobretudo a questão da incomunicabilidade e da situação de extrema repressão psicológica, física e emocional exercida não por uma pessoa, mas por um contexto social, econômico e racial que ultrapassa as fronteiras do sertão nordestino do Brasil. Por isso e, infelizmente, a identificação com a Guerra Civil na Síria é também bem pertinente”, atesta Leonardo, ator e diretor da peça.

Desde então, a companhia recebeu, anualmente, incentivos da comunidade européia, do governo do Estado de São Paulo e do governo federal para a elaboração de seis espetáculos e a realização de projetos de criação coletiva e colaborativa na Itália, na República Tcheca e em comunidades rurais e quilombolas do Estado de São Paulo.

A releitura de “Vidas Secas” da Caravan Maschera para o teatro apresenta uma tonalidade lírica, poética. Por ser encenada com bonecos e máscaras, também não há diálogos. Assim sendo, são os gestuais que expressam toda a dramaticidade, o flagelo e as agruras sofridas pela família de retirantes. Os bonecos são manipulados com tamanha maestria por Leonardo que parecem ganhar vida real no palco, algo que impressiona os espectadores. A morte e a questão da seca são predominantes, sendo a última muito bem representada na cena em que o cachorro se apega aos ossos do que seria um boi após seu estado de decomposição.

Na busca constante por um formato teatral híbrido entre o teatro de bonecos, o teatro visual e as artes plásticas, os espetáculos do grupo tem pouco ou nenhum texto, porém, são carregados de imagens fortes e poéticas que direcionam o espectador para a cultura popular. Além de “Vidas Secas”, a companhia traz em seu repertório os espetáculos “O Cordel Clownesco do Romeo e da Julieta”, o infantil “Tiringuito, Luisa e a Morte”, “O Mamulengo dos Três Vinténs” (teatro de bonecos para adultos) e “Vigiar e Punir” (teatro de formas animadas e bufões).

A montagem de “Vidas Secas” encerra temporada neste domingo, no Teatro de Arena da Caixa Cultural Rio de Janeiro, com ingressos a partir de R$ 10.

 

“Vidas Secas”, de Graciliano Ramos

Elenco e Direção: Giorgia Goldoni e Leonardo Garcia Gonçalves.

Teatro de Arena – Caixa Cultural (Av. Almirante Barroso, 25, Centro, Rio de Janeiro)

5as e 6as, às 19h; sábados e domingos, às 18h

Ingressos: R$20 (inteira) / R$10 (meia)

Clientes da CAIXA ECONÔMICA FEDERAL tem 50% de desconto no valor da inteira.

Somente até 19/11/2017!

Comente via Facebook