“Travessias”: Mostra de teatro sobre migrantes e refugiados traz programação gratuita para SESC São Gonçalo e Duque de Caxias

Por Redação.

A união entre sensibilidade, empatia, política e arte marca a mostra de teatro ” Travessias”, que busca trazer muita reflexão sobre migrantes e refugiados, usualmente silenciados e invisíveis aos olhos de muitos. “Travessias” traz a tona histórias que respeitam o percurso daqueles que deixam sua terra para tentar sobreviver em outro lugar. Desta forma, artistas refugiados e migrantes também estarão em cena, uma forma de construir uma representatividade real e possível.

60936437_446192126138787_2056572852634648576_n

Um dos principais objetivos da mostra é levar o tema para lugares mais distantes, unindo cultura, estética, criação, entretenimento e pensamento crítico, através de um espetáculo adulto (Migraaaaantes ou tem gente demais nessa merda de barco) e um infantil (Qual é meu nome mamãe?), além de roda de conversa com o título TRAVESSIAS – Experiências de migração no Brasil” e show da banda Terremoto Clandestino, formada por refugiados e migrantes, que também origina o bloco de carnaval de mesmo nome, agregando diferentes ritmos, danças e culturas (haitiana, congolesa, angolana, senegalense, gambiana, argentina, mexicana, brasileira) em uma única celebração. “Travessias” acontecerá no SESC Duque de Caxias e no SESC São Gonçalo. As atividades acontecerão entre os dias 02 a 15 de junho.

Espetáculo "Qual é meu nome mamãe". FOTO: Zhai Sichen.

Espetáculo “Qual é meu nome mamãe”. FOTO: Zhai Sichen.

Dia 02 de junho – SESC SÃO GONÇALO

Espetáculo infantil “Qual é meu nome mamãe?” 

Direção: Vida Oliveira

Com Luiza Süssekind, Miguel Araujo, Pedro Ivo Maia.

De roteiro inspirado pelo livro My name is not Refugee, de Kate Milner, essa é a mais nova produção infantil do grupo Cegonha – Bando de Criação, que fez a elogiada Makupuni em 2017. Qual é meu nome mamãe? leva ao palco toda a trajetória da família do livro de Milner, sempre sob a perspectiva de um jovem menino, expondo dores, dificuldades, diversão e excitação que rodeiam o garoto, trazendo a poesia contida na dor de ser um refugiado e ter de se reinventar em outro país.

 

SESC São Gonçalo – Av. Pres. Kennedy, 755 – Estrela do Norte, São Gonçalo – RJ. Tel: (21) 2712-3282

2 de junho, às 16h

Ingressos: R$ 10 (inteira) | R$ 5 (meia) | GRATUITO para menores de 16 anos.

 

Dia 08 de junho – SESC DUQUE DE CAXIAS

Espetáculo adultoMigraaaaantes ou tem gente demais nessa merda de barco” , de Matéi Visniec.

Migraaaantes é uma ensaio crítico de Matei Visniec, autor contemporâneo renomado de origem romena e radicado na França. O texto contempla a crise dos processos migratórios. Fragmentos de narrativas que abordam os diversos lados da crise humanitária que vivemos. Milhares de corpos tratados como indesejáveis e impertinentes pela sua mera presença.

SESC Duque de Caxias – Rua General Argolo, 47 – Centro, Duque de Caxias – RJ. Tel: (21) 3659-8412

8 de junho, às 15h

Grátis

Com Bárbara Abi-Rihan, Camila Zampier, Diogo Nunes, Erick Tuller, Fábio Lacerda, Fellipe Estevão, Lia Ximenes, Vinicius Mousinho e Viviane Pereira.

Direção, Cenografia e Iluminação: Ricardo Rocha

 

DIA 15/06/2019

 

SESC DUQUE DE CAXIAS

16h – Espetáculo infantil “Qual é meu nome mamãe?” 

 

Grátis

 

SESC SÃO GONÇALO

16h – Espetáculo adultoMigraaaaantes ou tem gente demais nessa merda de barco” , de Matéi Visniec.

Ingressos: R$ 10 (inteira) | R$ 5 (meia)

17h30 – Roda de conversa “TRAVESSIAS – EXPERIÊNCIAS DE MIGRAÇÃO NO BRASIL”

CONVIDADO: Adel Barkour. Sírio, Adel representou a juventude refugiada em encontros com a ONU e com movimentos sociais brasileiros. Veio com o irmão fugindo da guerra em seu país de origem, na tentativa de reconstruir sua vida e reescrever sua história. Atualmente, é aluno de química da UFRJ e professor de árabe na ONG Abraço Cultural, atuando ativamente na luta pelos direitos dos refugiados.

MEDIAÇÃO: Vida Oliveira

Grátis

18h – SHOW DA BANDA TERREMOTO CLANDESTINO

Grátis

Banda Terretomo Clandestino. FOTO: Arquivo Pessoal.

Banda Terretomo Clandestino. FOTO: Arquivo Pessoal.

 

Comente via Facebook