“Sobre Ratos e Homens” emociona e incomoda no CCBB-RJ.

Por Thiago David.

Baseado no controverso livro de John Steinbeck, lançado em 1937 durante a grande depressão americana, a montagem de Kiko Marques de “Sobre Ratos e Homens” é um tiro certeiro na mais íntima das nossas solidões e mexe com questões pulsantes do nosso dia-a-dia, provando que em 80 anos a humanidade mudou pouco.

58c92860059bdf8c66c21021_SReH_3154-p-1080x720

Dirigida por Kiko Marques, peça de John Steinbeck (ganhador dos prêmios Nobel e Pulitzer) segue em cartaz no Centro Cultural Banco do Brasil, no Rio de Janeiro.

No espetáculo, acompanhamos a jornada de Lennie (Ando Camargo) e George (Ricardo Monastero). Uma dupla quase dinâmica em um mundo solitário de trabalho duro e pouca diversão. Enquanto George se apresenta como um sonhador e visionário, Lennie destoa, sendo apenas um homem bruto com uma maturidade de pré-escolar. Os dois estão à caminho de um novo emprego, onde sonham em um recomeço e possivelmente juntar um dinheirinho para ter a própria fazenda e uma vida mais equilibrada. Lennie causa um estranhamento inicial enorme mas, tal qual uma criança, vence o coração do público por pura piedade. Pobre alma! Sua infantilidade misturada com força descomunal o transforma em uma bomba relógio. Sabemos que vai explodir, só não sabemos quando. Pior, quando sabemos, não podemos fazer nada para impedir, apenas angustiar-nos como testemunhas. Atuação impecável.

58c9284c0c61ab822f6e2a43_SReH_3437-p-1080x1621

O clássico americano estreia na cidade 60 anos após a versão de Augusto Boal e 80 anos depois do lançamento do livro. A montagem da Dendileão Produções Artísticas foi contemplada pelos prêmios APCA e Cenym de Melhor Espetáculo em 2016.

A solidão ocupa um espaço muito grande no espetáculo. A solidão que gera a simbiose de Lennie e George, a solidão do único negro da fazenda, a solidão do idoso inválido, a solidão da esposa-troféu. Todos estão sedentos por atenção e carinho. Todos tentando sobreviver a um dia mais cruel do que o outro. Prazeres vazios, trabalho infinito… O que une todos é o sonho de viver um futuro melhor. Isso é de partir o coração. Naquele mundo áspero não há espaço para êxitos. Com um final emocionante, voltamos para casa imaginando se vale ousar sonhar num mundo tão difícil como o nosso. Recomendo para sonhadores e céticos. Ao final da peça, o que não falta é assunto.

“SOBRE RATOS E HOMENS”

Direção: Kiko Marques.

Elenco: Ricardo Monastero, Ando Camargo, Natallia Rodrigues, Tom Nunes, Cássio Inácio Bignardi, Roberto Borenstein, Pedro Paulo Eva e Thiago Freitas.

Em cartaz de 4a a domingo, às 19h, no CCBB-RJ.

Ingressos: R$ 20 (inteira) / R$ 10 (meia)

Somente até dia 30 de abril!

Comente via Facebook

1 responder

Os comentários estão fechados.