“SE EXISTE EU AINDA NÃO ENCONTREI”: Lyv Ziese e Luciano Gatti brilham no texto do britânico Nick Payne.

Por Paulo Neto.

Nick Payne é um jovem dramaturgo britânico de 34 anos cujo trabalho vem chamando atenção da crítica e do público. “If There Is I Haven’t Found It Yet” foi montada há 4 anos com Jake Gyllenhaal e Ruth Wilson e teve bastante repercussão por tratar de temas atuais e relevantes como obesidade, suicídio e bullying. Na dramaturgia mundial, a insolvência e o desarranjo familiar é assunto de centenas de textos. Payne acerta ao tratar da falência entre parentes no contexto contemporâneo, adicionando novas conexões. Assim como em “Constelações” (montada no ano passado com Marília Gabriela e Caco Ciocler), onde Payne mixava apicultura e física quântica a um enredo amoroso, aqui ele injeta modernidade ao tratar da incomunicabilidade no seio familiar, entrelaçado ao discurso ecologicamente correto, a adolescência e suas espinhosas mazelas e ainda arrancar uma aliviante poesia.

FOTO: Priscila Prade.

FOTO: Priscila Prade.

Leopoldo Pacheco vive um acadêmico obcecado em salvar o planeta das emissões de gases de efeito estufa. Seu mergulho na sustentabilidade global o impede de ver o próprio barco familiar afundar. Pacheco é um ator propenso a interpretações técnicas, minuciosamente estudadas e acerta ao provocar empatia a um personagem gago e cansativo. Helena Ranaldi (a idealizadora do projeto) vive a esposa, uma professora de cabeça fechada demais para conseguir ter algum diálogo que preste com a própria filha, solitária e obesa, inteligentemente interpretada pela vibrante Lyv Ziese. Ranaldi tem boas cenas mas a própria personagem a impede de ter voos mais altos. Já Ziese, em atuação notável, introduz rica humanidade a uma garota de 15 anos, incompreendida e fadada a decisões perigosas. Luciano Gatti é o tio invasor e bonachão, o parente que vigorosamente penetra naquele ambiente familiar degringolado e consegue inserir alguma luz, humor e auxílio. Com falas surpreendentemente elucidativas e engajantes, o ator brilha em um dos melhores trabalhos de sua carreira. Daniel Alvim (também idealizador do projeto, ao lado de sua esposa, Ranaldi) faz um trabalho correto como diretor, mas o texto de Nick Payne, nas mãos de um condutor mais arrojado, poderia resultar num espetáculo mais poderoso.

FOTO: Divulgação.

FOTO: Divulgação.

A cenografia do competente André Cortez transforma poltronas e sofás em um ambiente de transformações, mas poderia ter tido arroubos mais criativos diante de texto tão possibilitador. Iluminação de Wagner Freire também é habilidosa, mas carece de soluções mais criativas. Fred Kling traduziu o texto de Payne com destreza e a trilha sonora do maestro Marcello Amalfi é um dos pontos altos da montagem. “Se Existe Eu Ainda Não Encontrei” é uma boa oportunidade de entrar em contato com a dramaturgia de um dos mais jovens e promissores dramaturgos britânicos e de prestigiar os excelentes trabalhos de Luciano Gatti e Lyv Ziese.

“SE EXISTE EU AINDA NÃO ENCONTREI”, de Nick Payne.

Direção: Daniel Alvim

Com Helena Ranaldi, Leopoldo Pacheco, Luciano Gatti e Lyv Ziese.

Teatro Eva Herz, na Livraria Cultura (Conjunto Nacional) – Av. Paulista, 2.073, Bela Vista, São Paulo.

Quintas e Sextas, às 21h.

Ingresso: R$ 60 (inteira)

Até 4 de maio de 2018!

Comente via Facebook