“Rio 2065”: Peça distópica em cartaz no CCBB-RJ comemora os 20 anos da cia Os Dezequilibrados 

FOTO: Divulgação

FOTO: Divulgação

Por Bruno Bernardino

Em comemoração aos 20 anos da companhia Os Dezequilibrados, o espetáculo “Rio 2065” está em cartaz no Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB), do Rio de Janeiro. Com autoria de Pedro Brício (Prêmio Shell de Melhor Autor) e a direção de Ivan Sugahara (Prêmio CESGRANRIO e Prêmio Qualidade Brasil de Melhor Diretor), a peça conta com a participação dos integrantes da companhia Ângela Câmara, Cristina Flores, José Karini e Letícia Isnard e também dos atores convidados Alcemar Vieira, Guilherme Piva, Jorge Maya e Lucas Gouvêa (que alterna com José Karini).

“Rio 2065” faz um retrato fictício do Rio, daqui a cerca de 50 anos, com linguagem irreverente, bem-humorada e contemporânea. Para o autor Pedro Brício, “a peça é uma alegoria sobre as questões do presente, uma comédia rasgada que faz referência à linguagem do besteirol e filmes B, mas com um viés crítico que brinca com a ficção científica e dialoga com o século XVI.”

A trama principal gira em torno do cotidiano do detetive policial Machado (José Karini/Lucas Gouvêa) e sua parceira, a replicante Louise (Letícia Isnard). Eles tentam recuperar a cabeça do bispo calvinista, cortada pela índia Jacira (Cristina Flores). A história também fala sobre a disputa entre duas escolas de samba fictícias: Acadêmicos de Araribóia e Unidos de São Sebastião. 

O cenário é um Rio de Janeiro que foi quase todo vendido a estrangeiros e tornou-se apenas um destino turístico de entretenimento e carnaval. O espetáculo traz um clássico distópico futurista e apocalíptico, típico de narrativas de ficção científica e contado de forma ágil conforme a velocidade dos tempos atuais.

Com a premissa de que o passado não se apaga facilmente, “Rio 2065” entretém e traz reflexões sobre um Rio que aponta para um futuro em que o passado se repetirá. Segundo o diretor Ivan Sugahara, “buscamos encontrar espaços para o que existe de poético e estranho nesse amanhã imaginário, onde nossas raízes e nosso presente coexistem com nossos anseios e temores do futuro“.

FOTO: Dalton Valério

FOTO: Dalton Valério

“Rio 2065″

Autor: Pedro Brício

Direção: Ivan Sugahara

Elenco: Ângela Câmara, Cristina Flores, José Karini, Letícia Isnard, Alcemar Vieira, Guilherme Piva, Jorge Maya e Lucas Gouvêa.

Centro Cultural Banco do Brasil – CCBB (Rua Primeiro de Março, 66 – Centro)

De 4a a 2a, às 19h

Ingressos: R$ 15 (meia) | R$ 30 (inteira)

Até 03/03/19.

Comente via Facebook