“Funâmbul@s”: Espetáculo fala sobre os agridoces percalços da memória e os turbulentos reencontros familiares.

Por Paulo Neto.

Filhos distantes que se reencontram por causa da doença do pai ou da mãe é um tema recorrente na dramaturgia mundial. A carioca (radicada em São Paulo) Priscila Gontijo demonstra habilidade em congregar três irmãs em torno do quase sempre ausente genitor com sintomas iniciais de Alzheimer. O velho foi ator na juventude e a arte permeia a existência das filhas: uma é professora de teatro na periferia, outra é uma garçonete que sonha em atuar e a mais velha tem vaidade exacerbada e ares de diva.

Funam

FOTO: Leekyung Kim.

O texto é fluido, divertido e guarnecido com referências a grandes nomes do teatro e do cinema como Tchekhov (“As Três Irmãs”), Shakespeare (“Júlio César”), Bergman (“Gritos e Sussurros”) e Antunes Filho. A autora já havia falado sobre irmãos disfuncionais mixados à arte na peça “A Vida Dela” e sobre a Rússia no livro “Peixe Cego”. A desunião familar, o áspero unido à beleza e os autores russos parecem ser assuntos recorrentes na obra da dramaturga/escritora.

Rafaela Cassol, Michelle Boesche e Vanise Carneiro. FOTO: Leekyung Kim.

As atrizes Rafaela Cassol, Michelle Boesche e Vanise Carneiro. FOTO: Leekyung Kim.

Gontijo discorre sobre as mutações da memória, os abandonos e reencontros familiares e a dureza da vida em torno de seres que ruidosamente equilibram-se na corda bamba (as funâmbulas do título) para tentar sobreviver num mundo onde existe tão pouca poesia.
Narrada de forma clownesca e onírica, com os quatro personagens vestidos de forma circense, o burlesco toma conta do palco. Temas espinhosos como o fim da vida e a perda da memória ganham ares de celebração, com cenografia colorida, uma tela deslumbrantemente multicolor no background e figurinos lúdicos. Seu Agusto, Ana, Júlia e Clara são palhaços que se sustentam em fios tênues diante de suas mazelas e sonhos.

IMG_8408

O ator e diretor do espetáculo, Eric Lenate, em cena com Michelle Boesche.

Eric Lenate dirige com sua habitual competência e também interpreta o palhaço-pai de forma meticulosa e verossímil. Com pouco mais de 30 anos, Lenate transmuta-se em um idoso rabugento e apaixonante de mais 70, imprimindo rico gestual, dando alma àquele senhor travesso e irrequieto, deixando a plateia de queixo caído. Vanise Carneiro, Michelle Boesche e Rafaela Cassol unificam-se em atuações igualmente inteligentes e bem dosadas de sarcasmo.

“Funâmbulas” fala sobre os percalços da fragmentação da memória e sobre dedicar-se a cuidar de um pai que foi ausente. O doce-amargo atravessa os corações ávidos e doloridos daqueles palhaços e a idade chega rápido demais em almas que não tiveram tempo de envelhecer.

“FUNÂMBUL@S”

Texto: Priscila Gontijo
Direção: Eric Lenate
Elenco: Eric Lenate, Michelle Boesche, Rafaela Cassol e Vanise Carneiro.

Teatro Municipal da Lapa Cacilda Becker (Rua Tito, 295 – Lapa – São Paulo)

Sextas e sábados, às 21h e Domingos, às 19h

Grátis às sextas!

Sábados e domingos: R$ 20 (inteira) e R$10 (meia-entrada)

De 23 de março a 15 de abril de 2018.

Comente via Facebook