“E o Mar Já Não Existe”: Excelente peça experimental fala sobre a violência contra a mulher.

Por Cristiano Ayres.

Silêncios prolongados, expressão corporal vigorosa, olhares pungentes e diálogos curtos imprimem uma linguagem experimental ao excelente espetáculo “E o mar já não existe”, da Companhia Bagagem Ilimitada, em cartaz no Teatro Rogério Cardoso, mais conhecido como o Porão da Laura Alvim, em Ipanema. A peça é uma adaptação do livro “Um homem: Klaus Klump”, do escritor português Gonçalo M. Tavares, publicado em Portugal, em 2003. A peça reestreou em 31 de outubro e já sai de cartaz nesta 4a feira, dia 22 de novembro.

Gonçalo é um dos novos nomes da literatura contemporânea portuguesa. O autor recebeu os mais relevantes prêmios em língua portuguesa: O Portugal Telecom (2007); o Prêmio José Saramago (2005); Prêmio Ler Milenium BCP (2004); o Prêmio Branquinho da Fonseca Calouste Gulbenkian e do Jornal Expresso.

FOTO: HEITOR MUNIZ / DIVULGAÇÃO.

Hugo Gravitol, Ana Pinto e Jacyara de Carvalho: coeso elenco da Companhia Bagagem Ilimitada. FOTO: HEITOR MUNIZ / DIVULGAÇÃO.

A direção é de PV Israel, que também assina a iluminação e a enxuta mas funcional cenografia. O apropriado figurino é de Maria Hermeto e Herika Reis e o visagismo, de Vanessa Andrea.

A companhia Bagagem Ilimitada nasceu de um desejo mútuo de construir um espaço na cena teatral brasileira baseado na criação de dramaturgia própria e pesquisa de linguagem. Tal pesquisa abrange a linguagem audiovisual, contação de histórias infantis e peças teatrais autorais com um cunho social. Fazem parte do repertório da companhia os espetáculos e esquetes: “Cotidianas”, “Chilenos ou Franceses”, a websérie “Jurema Home House”, além de diversas contações de histórias a convite de editoras como a Companhia das Letrinhas.

“E o mar já não existe” conta a história de duas mulheres, Simone (Ana Pinto) e Irina (Jacyara de Carvalho), que travam uma verdadeira batalha pela sobrevivência em meio à guerra quando, inesperadamente, surge Vince, um soldado em fuga. Com toda sua brutalidade e agressão desmedidas, Vince representa às duas uma grande ameaça. O cenário da guerra surge como um pano de fundo para os pequenos conflitos da vida cotidiana. O espetáculo se apóia em uma linguagem experimental e é encenada em grammelot, uma sonoridade inventada a partir do francês.

A peça aborda a questão da violência contra a mulher e como este ato pode desencadear toda uma sequência de sentimentos. Pode-se criar um paralelo da encenação com relações abusivas do universo feminino, seja no matrimônio ou no ambiente profissional. Em cena, uma gaita e um cantil são as metáforas perfeitas para o desespero e a necessidade de fuga dos personagens soterrados nos escombros da guerra.

– Precisamos falar sobres os extremos. Em nosso cotidiano deixamos passar detalhes que permitem violências como a que é retratada no espetáculo. A universalização do assunto se dá nesse pequeno fragmento que é a peça. Se os espectadores saírem tocados e movidos a refletir juntos após as sessões, será ótimo – conta o diretor PV Israel.

“E o mar já não existe” atinge seu ponto alto no momento em que envolve os três personagens numa determinada situação limite, lutando pela sobrevivência e evidenciando como a questão do abuso e da força física apresentam-se nas relações humanas. A intimista sala Rogério Cardoso contribui para a imersão no universo apresentado pelo espetáculo. A utilização primordial dos gestos para decodificar os sentimentos – medo, abandono, fragilidade, compaixão – dos personagens torna-se algo que exige um maior grau de atenção por parte do espectador e assim, as reflexões acerca do tema são inevitáveis e imediatas. Ponto para o diretor e para toda a talentosa Companhia Bagagem Ilimitada.

 

“E o Mar Já Não Existe”

Teatro Rogério Cardoso – Porão da Casa de Cultura Laura Alvim (Av. Vieira Souto, 176, Ipanema, Rio de Janeiro – RJ)

Com Ana Pinto, Jacyara de Carvalho e Hugo Grativol

Direção: PV Israel

Terças e quartas, às 20h

Ingressos: R$30/ R$15 (meia entrada e lista amiga)

Somente até 22/11/2017!

Comente via Facebook