Assista ao vídeo de Dani Calazans cantando “Vanilla Ice Cream”, do musical “She Loves Me”.

Dani Calazans é dessas atrizes que entendem do riscado. Muito procurada para preparar grandes atores para grandes musicais, Dani participou de diversos musicais, como “Emilinha e Marlene – Cantoras do Rádio”, “Agora é Tempo”, “Enlace, a Loja do Ourives” e “Trabalhos de Amor Perdidos”. Ela gravou o elogiado CD “Hard Bolero” e com o grupo vocal “Réus Confessos”, ganhou o primeiro lugar no concurso de coros do Festival Internacional Intercâmbio de Linguagens. Leia nossa entrevista com Dani Calazans e assista ao vídeo com sua divertida participação no #INCITARTE Musical, cantando a dificílima “Vanilla Ice Cream”, do musical “She Loves Me”.

Dani Calazans

DANI CALAZANS: “O ator de musical é um atleta e tem que se tratar como tal”.

#INCITARTE – Quem fala mais alto dentro de você, a cantora ou a atriz?

DANI CALAZANS – Nunca saberei responder essa pergunta. As duas nasceram ao mesmo tempo, comecei a estudar canto e teatro na mesma época, na adolescência. Além disso, eu não consigo separar uma coisa da outra e nem acredito que seja possível, a cantora tem sempre uma personagem pra subir ao palco e a atriz tem que ter bastante consciência de respiração e colocação de voz.

FOTO: Rogério Kruger

“Aquela Dani Calazans do vestido vermelho que sobe no palco com saltos enormes é um personagem”, afirma a cantora. FOTO: Rogério Von Kruger

#INCITARTE – Você teve uma filha há pouco tempo. Em que a maternidade transformou você, artisticamente falando?

D.C. – A maternidade sempre transforma, não sei ainda em que exatamente. Nalu tem só cinco meses, estou voltando às atividades artísticas agora. Daqui a algum tempo eu respondo essa pergunta, ok? Mas é claro que fica tudo diferente, a gente passa a ter medos e vontades que não tinha antes. Com relação ao meu trabalho solo, não acredito que vá mudar tanto. Aquela Dani Calazans do vestido vermelho que sobe no palco com saltos enormes é um personagem. É claro que é um personagem que me tem como base, é uma expansão de mim mesma mas ainda assim é um personagem. No teatro, talvez mude a maturidade dos sentimentos. Medo, amor, cuidado, tudo isso terá um sentido diferente, com certeza, mas acho que é uma mudança para melhor.

#INCITARTE – Você já foi professora de um participante do “The Voice Kids”. Como você avalia esses programas que se pretendem a promover talentos?

D.C. – Ih, essa resposta vai dar pano pra manga e pode provocar algumas revoltas! [Risos] Primeiramente, eu não acho que o objetivo desses programas seja promover talentos mas sim conseguir audiência. Você já reparou que nenhum dos vencedores se mantém nas paradas de sucesso de forma expressiva por muito tempo? Acho que a emissora se aproveita da popularidade do vencedor e depois, quando vem a próxima temporada, o descarta facilmente. E, além disso, tenho muitas questões com competições artísticas, não tem como comparar uma coisa com a outra. O que é melhor? Um Picasso ou um Mondrian? Não tem nada a ver com técnica, é gosto. O que tenho visto por aqui é competição de grito. Quem grita mais, leva. Quem imita mais os americanos, leva. Quem consegue reproduzir melhor as firulas dos cantores pop, leva. Quem canta o que é muito conhecido do público, leva. É como karaokê, não é porque você canta bem que tira a nota mais alta. Acho válido como experiência mas sempre falei pro Felipe [Adetokunbo, participante do The Voice Kids que foi aluno de Dani] e pra todos os outros que chegam pra ter aula visando entrar nesses programas: vai lá, faz o melhor que você puder mas não acha que o programa vai resolver a tua vida e te lançar para o sucesso sem volta. Estar num desses programas pode ser uma bela oportunidade pra quem tem uma carreira sólida e maturidade mas pode ser um tiro no pé pra quem ficar deslumbrado com o imenso sucesso repentino.

#INCITARTE – Quais os cuidados que você recomenda a um ator de musical que, às vezes, precisa fazer 6 sessões por semana?

D.C. – Isso é fácil: hidratação, sono, boa alimentação, falar sem gritar, evitar conversar em ambientes barulhentos, não fumar, só beber bebida alcóolica quando não tiver apresentação no dia seguinte e o que mais as pessoas precisam nessa vida: BOM SENSO! O ator de musical é um atleta e tem que se tratar como tal, ter um bom preparo físico e vocal, visitar o otorrinolaringologista com regularidade e saber que ele sempre tem coisas a aprender, todos temos. Canto desde os 12 anos e aprendo todos os dias com cada aluno, com cada produção, com cada música nova que pego pra estudar e tem gente que começou a cantar anteontem e vem cheio de regras sendo o dono da verdade. Me dá uma preguiça…

#INCITARTE – O que a Dani Calazans precisa pra se considerar realizada?

D.C. – Palco. Amo dar aula, amo meus alunos mas estar no palco é especial. O calor das luzes no rosto, o aplauso, o olhar do colega que divide o palco com a gente, tudo isso me faz a pessoa mais feliz do mundo. A sensação é indescritível.

Confira a interpretação de Dani Calazans para “Vanilla Ice Cream”, canção do musical “She Loves Me”.

 

Comente via Facebook